Novembro Azul: sua saúde em primeiro lugar!

Você sabia que “49% dos brasileiros com mais de 45 anos nunca fizeram o exame de toque retal que pode detectar o câncer de próstata”, segundo a pesquisa da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (2018-SBGG)? Esse número reflete o quanto esse assunto ainda precisa ser abordado na sociedade e, por isso, nossa equipe veste a camisa do Novembro Azul para compartilhar o movimento de prevenção ao câncer de próstata e o cuidado com a saúde de forma geral.

O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum nesse público – de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). São quase 66 mil novos diagnósticos por ano e 15 mil mortes por ano são atribuídas à doença, que, muitas vezes, é descoberta tardiamente. É considerado um mal da terceira idade, pois 75% dos pacientes têm mais de 65 anos e a incidência é maior entre homens afrodescendentes.

O diagnóstico precoce é a melhor prevenção, pois os casos têm evolução silenciosa, com poucos ou nenhum sintoma, e por isso são necessários o acompanhamento médico regular e a realização dos exames preventivos e de acordo com a recomendação do especialista.

A Construtora Stéfani apoia todos os movimentos em prol da saúde coletiva, dentro e fora do ambiente de trabalho. Neste mês, não seria diferente e voltamos às atenções para um assunto importante, que merece ser repercutido: o câncer de próstata. A saúde de nossos colaboradores sempre é uma pauta essencial, então teremos a honra de receber uma profissional da saúde para bater um papo com nossa equipe presencial e virtual, tirando todas as dúvidas e dando as principais orientações de prevenção a essa doença.

#Azultitude

Um desdobramento do Novembro Azul é a campanha #Azultitude lançada pelo Instituto Lado a Lado buscando incentivar os homens a cuidarem melhor de sua saúde como um todo. Os dados levantados pelo instituto mostram que 1.600 homens por ano têm que amputar seu órgão genital por conta de câncer e a principal causa é a má higiene.

Então, uma boa forma de driblar o preconceito é debater amplamente esse assunto nas famílias, com os colegas de trabalho, no jogo de futebol com os amigos e nas redes sociais. É por meio da mudança de postura de todos que esse quadro poderá ser revertido. Juntos, podemos reduzir esses números de diagnósticos.